quarta-feira

A desilusão solucionada com EFT


Celina* (nome fictício) era uma pessoa exigente. Como aprendiz de trabalhador da luz, ela era sabedora de que era filha do Pai Supremo e que, como tal, era legítima herdeira de todo seu poder e merecedora de toda a felicidade que o Pai reserva a todos os filhos, nós. Portanto, ela não aceitava um “não” como resposta. Na sua condição de estudante, procurava de todas as maneiras refinar seu espírito, limpando seus lixos emocionais e crenças que limitavam ainda seu desenvolvimento. 

Um dia, Celina me procurou muito triste, pois havia se dado conta que seu marido não era mais apaixonado por ela. Apesar de ele ser muito carinhoso, fazer o possível para agradá-la, dizer sempre que a amava e deles serem um casal até invejado, há muito tempo, Celina se sentia desconfortável na relação dos dois, sentia que faltava alguma coisa, uma saudade esquisita de algo que ela não sabia o quê. Ela procurava camuflar esse sentimento, exaltando todos os pontos positivos da relação, que eram muitos, mas ainda se sentia insatisfeita. Naquele dia, ela finalmente enxergou que sentia falta da paixão dele, aquele brilho no olhar que há muito ele não exibia mais quando a via. 


Não que ela achasse que havia uma terceira pessoa, não parecia ser este o caso. Apesar de ser um marido maravilhoso, raro, atencioso e carinhoso, ela havia percebido que a verdadeira paixão dele era a família, o núcleo familiar, onde Celina era apenas a esposa, apenas um dos elos da corrente. Ela sentia que ele amava a esposa e não Celina, a mulher. 

- Mas, perai - eu perguntei  - você, Celina, não é a esposa dele? Não entendi...

Ela explicou com uma metáfora:

- Sabe o povo inglês e a rainha da Inglaterra? Os ingleses amam sua rainha, não importa se ela é Elisabeth I, Elisabeth II ou Victoria, eles amam a rainha, o posto e quem o está ocupando no momento.  Ele é maravilhoso pai, chefe de família e marido, mas a mim, Celina, ele não enxerga. Ele faz o possível para manter a felicidade da família, porque é disso que ele alimenta seu espírito. Seu prazer é estar com sua família, com seus filhos, seus pais e sua esposa, mas aquele namorado que queria estar sozinho comigo, que sentia prazer na minha companhia, não existe mais. Eu sei que corro o risco de parecer ingrata, exigente demais, mas eu acho que mereço um pouco de romance na minha vida. Será que é apenas pra isso que eu sirvo, pra ser mãe e esposa, cuidar da casa, ganhar dinheiro pra ajudar nas contas,  ficar de selinhos e abraços, sexo sem graça e ser amiga dele ?  Se eu quisesse apenas um amigo, eu procuraria o CVV. Não! Eu quero mais, quero romance ardente, quero ser vista como mulher, quero ser desejada. Por que eu tenho que me contentar com menos?

Tive que concordar, ela tinha sua razão. O problema é que as relações hoje em dia são tão superficiais e difíceis, que as pessoas se contentam com o mínimo que poderiam ter, a velha história que mais vale um pássaro na mão do que dois voando. Por causa disso é que existem tantos casos de pessoas mal amadas e insatisfeitas no mundo, porque acreditam que não têm direito a tudo o que sonham. Isso são crenças limitantes que só nos jogam pra baixo. 

Mas Celina, apesar de estar no caminho certo, estava se deixando levar pelos sentimentos negativos que uma revelação dessas traz, como mágoa do marido, tristeza, baixa autoestima, derrotismo, culpa por achar que não tinha direito de exigir mais do marido e da vida, por se achar ingrata. Fizemos diversas rodadas de EFT e Peça e Receba para ir diluindo estes sentimentos, até quando ela percebeu que os sentimentos do marido eram apenas reflexos dos seus próprios sentimentos por si mesma. Se ele não a admirava mais como mulher, era porque ela mesma não se admirava mais. Estava acima do peso, se sentindo velha e feia, mas não fazia nada pra mudar isto. Como antes estava confortável com o amor do marido, havia relaxado na aparência, assim como nos seus outros objetivos de vida. Com as sessões de limpeza emocional, Celina finalmente se deu conta de que podia tirar uma lição positiva daquela experiência e mudar os rumos da sua vida. A indicação do floral Larch também ajudou a dar uma levantada em sua autoestima e reconhecimento de seus padrões negativos de pensamento.

Provavelmente, se ela não estivesse empenhada em limpar as emoções e crenças negativas relacionadas com este caso, ela poderia desenvolver um ciúme patológico do marido ou tornar sua vida conjugal um inferno de cobranças e choradeiras. Poderia também desenvolver uma séria doença nos seus órgãos reprodutores, candidíases, artrites, etc, por causa do vitimismo que já estava tomando conta de seus pensamentos.

Resolveu sair da zona de conforto, ou, como eu gosto de dizer, expandir sua zona de conforto. Começou a cuidar melhor de sua saúde e aparência, para levantar sua autoestima. Durante nossas sessões, dizia que não era para que ele voltasse a admirá-la, mas para que ela mesma voltasse a se admirar como antes. Focou na sua carreira e está se tornando uma excelente profissional na sua área, à medida que vamos diluindo certos padrões de pensamento limitante. Parou de culpar o marido por não estar mais apaixonado por ela. Saiu da postura de “vítima”, deixando de delegar o poder sobre sua vida a outros, e assumiu seu verdadeiro poder de mudar sua realidade. As acupunturas energéticas a estão ajudando a perceber que tudo está ao alcance de suas mãos, bastando para isso que deixemos de delegar nosso poder pessoal a outros ou ao subconsciente.

Ah, o marido? Ele vai bem, obrigada. Está amando sua nova mulher, mais decidida, segura e senhora de si. 

Celina generosamente permitiu que sua história fosse retratada, para ajudar a outras Celinas que ainda possam estar adormecidas.


3 comentários :

  1. Nossa, linda demais a história da "Celina". Parabéns pra ela e pra você, que conseguiu despertar nela o melhor dela mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Nossa!! Muito linda a história dessa "Celina". Parabéns pra ela, por se reinventar e pra você, por ajudá-la a descobrir o melhor dela mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Linda mesmo, não é? E ainda está acontecendo... É uma luta diária para se reequilibrar e crescer, como é o objetivo de todos nós. Celina não desistiu dela mesma, graças a Deus, e está cada dia melhor.

    ResponderExcluir

O que você achou? Deixe sua opinião. Ela é muito importante!